Destaques

Atendimento presencial nos cartórios eleitorais continua suspenso, mas eleitor fazer a transferência pelo sistema Título Net



Que tal aproveitar 2021, ano não eleitoral, para regularizar o título de eleitor? Apesar de o atendimento presencial nos cartórios ainda estar suspenso em razão da pandemia de Covid-19, diversos serviços podem ser solicitados pela internet. Entre eles, a transferência de domicílio eleitoral.

Se o eleitor mudou de cidade e pretende votar, nas próximas eleições, para escolher o novo presidente da República, além de novos governadores, senadores e deputados, deve se antecipar para resolver pendências com a Justiça Eleitoral. Isso porque o fechamento do cadastro ocorre 151 dias antes do pleito, ou seja, quem não regularizar a situação até maio de 2022 poderá ficar impedido de votar.

Assista vídeo sobre o assunto no Canal do TSE: https://www.youtube.com/watch?v=eYC23SnuF-Y

O serviço disponível na internet deve ser feito por meio do sistema Título Net, onde é possível também emitir a primeira e segunda via do documento.

Passo a passo
É importante estar atento a algumas orientações para garantir maior agilidade no processamento do pedido. Antes de iniciar o requerimento, o eleitor deve verificar se está em situação irregular e se tem multas eleitorais para pagar. Havendo débitos, ele deve emitir a guia e realizar o pagamento antes de solicitar atendimento. Essa guia pode ser paga em qualquer agência ou caixa eletrônico do Banco do Brasil, mesmo para quem não é cliente da instituição.

Ao preencher o formulário, o eleitor deve inserir seus dados corretamente, exatamente como constam em seus documentos, tomando o cuidado de digitar todos os nomes por extenso, sem abreviação. Atenção especial ao informar e-mail e telefone, pois é por esses meios que o cartório eleitoral entrará em contato caso seja necessário esclarecer alguma informação.

Transferência de domicílio eleitoral

Para solicitar a transferência do domicílio eleitoral, o primeiro passo é digitalizar um comprovante de residência e um documento de identificação oficial com foto. Depois, é só acessar o site do TSE ou do TRE local, clicar na aba "Eleitor e eleições", entrar em "Título eleitoral" e escolher a opção "Tire seu título". Por fim, é preciso acessar o link "Iniciar seu atendimento remoto". https://cad-app-titulonet.tse.jus.br/titulonet/novoRequerimento

Ao finalizar o preenchimento do formulário, será informado um número de protocolo para o eleitor acompanhar o andamento. O sistema enviará os dados ao cartório responsável, e o requerimento levará alguns dias para ser processado. O prazo depende do volume de pedidos recebidos por cada cartório.

Após o processamento do pedido, não será enviada via impressa do título para a casa do eleitor. Ele poderá consultar os dados do seu cadastro no site do tribunal ou instalando o aplicativo e-Título no celular.

Requisitos
Para requerer a transferência, é necessário que o eleitor resida há pelo menos três meses no novo município e já tenha transcorrido, no mínimo, um ano da data do seu alistamento eleitoral ou da última transferência do título. Somente se isenta desse critério o eleitor servidor público civil, militar e autárquico, ou membros da família, que por motivo de remoção ou transferência tenha mudado de domicílio.

O eleitor que pretende transferir o título não pode ter condenação criminal cuja pena não tenha sido integralmente cumprida nem ter condenação por improbidade administrativa cuja pena de suspensão de direitos políticos não tenha sido cumprida. Além disso, não pode ter pendência no cadastro eleitoral referente a não apresentação de prestação de contas de campanha eleitoral nem ter débitos pecuniários com a Justiça Eleitoral.

Mudança para o exterior
No caso dos eleitores que se mudaram para outro país, o pedido de transferência de domicílio eleitoral deve ser feito à embaixada ou à repartição consular brasileira vinculada ao local do novo endereço. O pedido será encaminhado, para exame, ao juiz da Zona Eleitoral do Exterior (Zona ZZ), em Brasília (DF). Se a transferência for aceita, o título será remetido ao posto consular em que foi requerido. A partir daí, o eleitor inscrito no exterior poderá participar das Eleições 2022, mas apenas na eleição para o cargo de presidente da República.
Com aporte de R$ 2 milhões, o festejo terá programação em modo drive-in nas regiões Norte, Sul, Leste e Central do DF



Com o objetivo de desenhar e executar os festejos de fim de ano, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) publicou, no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta sexta-feira (22), o resultado final do edital n° 23/2021, que vai celebrar o Réveillon de forma segura e com atrações culturais de qualidade.

"É a volta gradual para as atividades presenciais, sem risco de aglomerações que naturalmente fazem parte da natureza dos festejos de fim de ano"Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

Com 18 pontos obtidos, a Organização da Sociedade Civil (OSC) Associação dos Defensores das Culturas Regionais do Distrito Federal (ADCR) foi selecionada como responsável pela realização do Viva 2022, que vai levar atrações musicais a regiões administrativas estratégicas durante sete dias do mês de dezembro.

Com aporte de R$ 2 milhões, o festejo terá programação nas regiões Norte, Sul, Leste e Central do DF. As cidades cotadas para receber a festa são Paranoá, Gama, Samambaia, São Sebastião e o Plano Piloto. Em formato drive-in, o evento visa garantir o acesso seguro às atividades artísticas no Réveillon, durante o período pandêmico.

"É a volta gradual para as atividades presenciais, sem risco de aglomerações que naturalmente fazem parte da natureza dos festejos de fim de ano", observou o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

A OSC selecionada tem o prazo de sete dias corridos, contados a partir desta sexta-feira (22), para encaminhar a documentação de habilitação constante no item 10 do edital. Os documentos devem ser encaminhados para o e-mail protocolo@cultura.df.gov.br.

Dúvidas sobre o processo podem ser esclarecidas por meio de contato com a Subsecretaria de Difusão e Diversidade Cultural, pelos telefones (61) 3225-6268 e 99119-0610; ou pelo e-mail sddc@cultura.df.gov.br.
A equipe da TV está preparando o primeiro dia de transmissões pelo canal 9.3, que tem início com solenidade de inauguração às 14h


Foto: Bruno Sodré/CLDF


A Câmara Legislativa lança, nesta segunda-feira (25), a TV Câmara Distrital, em transmissão ao vivo pelo canal 9.3. A nova emissora aberta do Distrito Federal terá 24 horas de programação, que vai contar com as transmissões ao vivo do trabalho legislativo, conteúdo jornalístico, educativo, sociocultural e científico, além de campanhas institucionais e de utilidade pública. A solenidade de lançamento será às 14h, no auditório, após a visitação de deputados e autoridades às instalações da TV.

A emissora entra no ar a partir de um acordo de cooperação com a Câmara dos Deputados que disponibilizará o canal aberto em sua multiprogramação.

De acordo com o presidente da CLDF, Rafael Prudente (MDB), a iniciativa representa o último passo para transformar a Casa de Leis na mais transparente do Brasil. "A TV Câmara Distrital vem para marcar os 30 anos do Legislativo do DF e consolidar a transparência das nossas atividades. Estou certo de que a TV vai aproximar ainda mais a população de Brasília do Poder Legislativo e oferecer uma programação com muitas informações políticas, culturais e esportivas", afirmou.

O distrital também ressaltou o nível profissional, técnico e de conteúdo do novo veículo: "É uma TV moderna que terá papel muito importante para levar até o cidadão as informações reais sobre o trabalho da Câmara Legislativa. Profissionais qualificados terão como missão registrar e reportar os temas importantes debatidos aqui na Câmara".

De acordo com a chefe da Divisão de TV e Rádio da CLDF, Gláucia Simões, além de dar transparência às ações legislativas, a TV Câmara Distrital contribuirá com registros em arquivos da história e da cultura local. "Por meio do canal, os cidadãos poderão acompanhar os debates que ocorrem no plenário, nas comissões e nas audiências públicas, além de ficar por dentro do que acontece no DF", explicou.

O diretor de Comunicação Social da CLDF, Orlando Rangel, relembra o desafio que foi a Casa voltar a ter uma emissora de TV e o compromisso da atual legislatura com a transparência e a modernização do Legislativo local. Rangel destaca a implantação do novo Portal da CLDF, do painel eletrônico do plenário, do sistema de votação 100% eletrônico e do aplicativo Agora é Lei. "Agora a TV Câmara Distrital chega para nos aproximar ainda mais da população, informando o que ocorre no em nossas cidades e com a vocação de ser porta voz da comunidade", observa o diretor.

Programação
A TV exibirá conteúdo próprio e de parceiros por meio de acordos de cooperação técnica com outros órgãos públicos. Entre eles, a UnBTV, da Universidade de Brasília, e a Rede Legislativa, formada por emissoras de assembleias estaduais e municipais, o Sebrae-DF e o Governo do Distrito Federal. "Com esse lançamento, a CLDF busca se aproximar ainda mais dos cidadãos e espera incentivar a participação política, a valorização da identidade do Distrito Federal e o exercício pleno da cidadania", acrescenta Gláucia Simões.

Entre os primeiros programas que serão exibidos, destacam-se o "Por elas", dedicado à atuação feminina nos mais diversos setores sociais; o "Nosso Quadradinho", que tem como missão apresentar as belezas, as boas iniciativas e os talentos desenvolvidos no Distrito Federal; e o "Giro CLDF", com notícias das sessões plenárias, reuniões de comissões e audiências públicas promovidas pela CLDF.

O conteúdo da TV Câmara Distrital poderá ser acompanhado pelo canal da Casa no YouTube e pelas redes sociais, possibilitando a interação direta da população com a emissora.

Estrutura própria
A CLDF preferiu investir em estrutura técnica própria, visando a economia e a continuidade dos serviços. Dessa forma, as transmissões que hoje ocorrem pela internet serão realizadas por equipamentos próprios, que deixarão de ser alugados, resultando também em mais autonomia e menos burocracia no funcionamento da emissora. Fazem parte da equipe profissionais terceirizados e servidores efetivos da Casa.

Parcerias
Além do Acordo com a Câmara dos Deputados que permitiu a transmissão em canal aberto, a TV Câmara Distrital fechou acordos de cooperação técnica com diversas entidades da sociedade civil e órgãos de Estado para diversificar sua programação. Confira a lista dos parceiros:

Associação Brasileira de Televisão e Rádios Legislativas (Astral); o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal (Sebrae-DF) Instituto Nacional de Meteorologia - Inmet SEI; Universidade de Brasília - UnB; Governo do Distrito Federal - GDF; Secretaria de Estado de Comunicação; Companhia Imobiliária de Brasília - Terracap; Departamento de Trânsito do Distrito Federal - Detran/DF; Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal - DER; Arquivo Público do Distrito Federal; Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal Secretaria de Estado do Esporte e Lazer do Distrito Federal; Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal; Secretaria de Estado de Turismo do Distrito Federal; Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal; Companhia de Planejamento do Distrito Federal - Codeplan; Serviço de Limpeza Urbana - SLU; Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal - Adasa Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal - Emater-DF; e Arquivo Público do Distrito Federal.
Provas serão aplicadas online em 6 de novembro



Estão abertas, até 27 de outubro, as inscrições do processo seletivo para estágio de nível superior no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Podem participar estudantes dos cursos de Arquivologia, Direito, Informática, Contabilidade, Comunicação Social, Psicologia e Serviço Social. Também serão selecionados estudantes de cursos de pós-graduação nas áreas de Geologia e Engenharia Ambiental.

Para ingressar no programa de estágio, o estudante deverá ter concluído, no ato da convocação, 40% da carga horária ou dos créditos do curso, independentemente do semestre em que esteja formalmente matriculado. A jornada é de 20 horas semanais, com bolsa-auxílio de R$ 850 para graduação e R$ 1.700 para pós-graduação. Há, ainda, auxílio-transporte de R$ 7 por dia trabalhado, seguro contra acidentes pessoais e recesso de 30 dias sempre que a duração do estágio for igual ou superior a um ano.

Inscrições e provas

Para se inscrever, o candidato deve acessar o site www.universidadepatativa.com, campo "Concursos em andamento", localizar o processo seletivo do MPDFT e fazer o cadastro. Serão reservadas 10% das vagas ao sistema de cotas para minorias étnico-raciais, outros 10% às pessoas com deficiência e 30% ao sistema de cotas para negros. Os interessados devem informar que desejam concorrer a essas vagas no ato da inscrição.

Depois de concluída a inscrição, o candidato deve enviar para o e-mail selecaompdft@universidadepatativa.com.br os seguintes documentos em formato PDF: comprovante de inscrição; cópia de RG e CPF; declaração da instituição de ensino expedida a partir de 1º de outubro de 2021; se pessoa com deficiência, laudo médico conforme o edital; e se participante do sistema de cotas, termo de adesão conforme o edital.O assunto do e-mail deve ser o processo seletivo e o nome do candidato. Por exemplo: "Processo Seletivo MPDFT - Maria da Silva".

A prova objetiva online ocorrerá em 6 de novembro, com acesso liberado a partir das 14h. A avaliação é constituída por questões de língua portuguesa e de conhecimentos específicos no formato múltipla escolha, com caráter eliminatório e classificatório.

Serviço

Seleção para o programa de estágio do MPDFT

inscrições: até 27 de outubro

Prova: 6 de novembro

Edital: clique aqui

Residencial Wildemir Demartini, no Guará II, será entregue aos compradores no sábado



Na ocasião, a PaulOOctavio fará o lançamento do Residencial Maestro Cláudio Cohen, que também será erguido na quadra 33

Com um mês de antecedência, a PaulOOctavio fará a alegria de mais de 50 famílias que investiram no Residencial Wildemir Demartini, localizado no lote 2 da QI 33, no Guará II. A solenidade de entrega será neste sábado (23), às 10h. No evento, a Orquestra de Câmara de Brasília fará uma apresentação especial, que também marcará o lançamento do residencial que homenageia seu regente, o maestro Cláudio Cohen.

O Residencial Wildemir Demartini é um projeto do escritório Gomes e Figueiredo Arquitetura e tem apartamentos de 3 quartos, com 1 suíte e 2 semisuites, com 114m² a 233m² e até 4 vagas de garagem. Há várias opções de plantas, como unidades garden, tipo e coberturas lineares. O morador terá à disposição piscinas, salão de festas, academia, churrasqueira, brinquedoteca e uma área de lazer completa, em uma cidade consolidada, com qualidade de vida, mobilidade e acessibilidade, com parques, shoppings, duas estações de metrô, dois terminais de ônibus, pista de caminhada e facilidade de acesso ao centro da capital.

Com poucas unidades remanescentes, o Residencial Wildemir Demartini tem um apartamento decorado, que permite a futuros compradores visualizar a melhor utilização dos ambientes. Projeto do escritório Cybelle Barbosa e Arquitetos Associados, ele poderá ser visitado no próprio edifício, localizado na QI 33 Lote 2, do Guará II.

Homenagem ao maestro
Regente da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro, o maestro Cláudio Cohen terá duplo papel na comemoração. Além de conduzir a apresentação da Orquestra de Câmara de Brasília, ele dará nome ao novo residencial da PaulOOctavio. Em construção no Lote 12 da QI 33 do Guará II, o residencial terá dois blocos, com 62 apartamentos, todos com 4 quartos.

Compradores e investidores terão três opções de plantas. Os apartamentos tipo possuem até 130m² e duas ou três vagas de garagem. As unidades garden têm até 191m². Por fim, as coberturas lineares possuem até 258m², com 3 vagas. O residencial também oferecerá estrutura inigualável de lazer, com piscinas adulto e infantil, academia, sala de relax com ducha e sauna jardins, playground, brinquedoteca com fraldário, churrasqueiras, salão de festas com copa e sanitários e espaço gourmet com copa.

Atualmente, a PaulOOctavio ergue seis residenciais em Brasília – Márcia Kubitschek, Nívio Gonçalves e General Clóvis Jacy Burmann, no Noroeste; Dalmo Rebello, em Águas Claras; Jane Godoy, na Asa Norte; e Maestro Cláudio Cohen, no Guará II.

O evento acontecerá neste sábado, 23/10, às 10h. 

Hoje é o aniversário de nosso presidente da Câmara Municipal de Valparaíso de Goiás, o vereador Placido Cunha. Nós, brasileiros de todos os cantos que vivemos em Valparaíso de Goiás, reconhecemos e somos gratos por sua entrega e pela luta que empreende, diante de tantos desafios, para fazer de Valparaíso uma cidade cada vez melhor, com mais segurança jurídica e um ambiente favorável para os investimentos no município e geração de emprego e renda na cidade. Por isso é um dia especial para Valparaíso de Goiás, pois registramos e parabenizamos o líder Placido Cunha, pela passagem do seu aniversário


Fotos: Facebook Placido Cunha.

Francisco Placido Cunha espelhou-se em seus pais para desenvolver uma forte vocação para o interesse comum. Placido nasceu na cidade de Buriti dos Lopes, Piauí, em 22 de outubro de 1967, mudou-se para o então Distrito de Valparaíso em 1985. Nesse tempo, alistou-se para a Marinha do Brasil, depois trabalhou como serralheiro. Casou-se com a psicopedagoga Divina Santos Cunha, com quem teve três filhos: Carla, Jonas e Renata. Ingressou na Câmara Federal no cargo de motorista, fazendo de suas horas de descanso trabalhista a oportunidade para aprender os vários ofícios administrativos, operacionais e técnicos do gabinete parlamentar e do processo legislativo. Cresceu profissionalmente e alcançou o cargo de chefe de gabinete do então deputado federal Jorge Maluly, o que lhe rendeu maior interesse para se candidatar a vereador.

Eleito em outubro de 2008 para o seu primeiro mandato de vereador na Câmara Municipal de Valparaíso de Goiás, Placido deu a sua colaboração, principalmente acreditando nos jovens de Valparaíso de Goiás. Sabendo que as famílias depositaram nele sua confiança, Placido trabalhou e trabalha para o bem do povo. Atuava na defesa de políticas públicas, implementando projetos de profissionalização e qualificação profissional dos jovens.

De 2017 a 2020, Placido ocupou o cargo de Secretário Municipal de Governo de Valparaíso de Goiás e contribuiu mais uma vez ativamente na busca de recursos, emendas parlamentares e estabeleceu importantes articulações políticas para o bem do povo de Valparaíso de Goiás.

Em 2020, Placido Cunha foi eleito para mais um mandato no legislativo municipal de Valparaíso de Goiás, onde também foi eleito o presidente da Câmara Municipal de Valparaíso de Goiás, e colocando a casa de leis ao lado do povo. À frente da presidência da CMVP, Placido Cunha inovou e deixou a casa mais moderna e aconchegante para aproximar o cidadão do processo legislativo municipal. Atento ao árduo trabalho que se impõe, Placido deu o pontapé inicial com um desejo significativo é primordial, que o cidadão valparaisense fizesse parte da história do legislativo municipal, e assim ocorreu com a implementação da TV Câmara de Valparaíso, um projeto que não existia e, com vistas ao novo cenário de pandemia, tornou-se relevante.

Outro projeto significativo implantado nestes seis primeiros meses é o de acessibilidade, tanto no espaço físico que inclui a operação funcional do elevador, estendendo a proposta de acessibilidade para os meios digitais com as transmissões das sessões com janela de Libras. Placido também fez a capacitação dos servidores e vereadores, elevando o nível de qualidade dos serviços prestados à comunidade e a melhoria do layout do site institucional da Casa, promovendo maior facilidade de acesso aos trabalhos dos parlamentares. Placido foi o primeiro presidente de Câmara em todo o Estado de Goiás a implantar a virtualização dos processos, colocando em operação do sistema para registro de presença, gerenciamento das proposições, indicações, votações dos projetos de lei e painel eletrônico.

Como representante do Povo o vereador Placido Cunha também apresentou diversos Projetos de Leis que beneficiam diretamente o cidadão Valparaisense. Como a  LEI da Reestruturação do Conselho Municipal de Saúde, a LEI que cria a Casa dos Conselhos, a LEI que oferece atenção integral aos profissionais de saúde que atuam na linha de frente no combate à Covid-19, fez a LEI  que proíbe a nomeação, para todos os cargos em comissão de livre nomeação e exoneração, pessoas que tiverem sido condenadas pelas Leis Federal Maria da Penha e Feminicídio. Placido também é o autor da LEI que cria o programa Sedentarismo Não (contratação temporária de educador físico comunitário para parques e praças), lutou e aprovou a LEI da proibição da oferta de embutidos na merenda escolar de escolas e creches da Rede Pública Municipal e a LEI que possibilitará a doação de bens inservíveis à Instituições e Filantrópicas devidamente cadastradas e declaradas de Utilidade Pública.

Agora Placido quer transformar Valparaíso de Goiás em uma cidade inteligente e preparada para receber novas tecnologias. Essa é a luta do presidente da Câmara de Valparaíso de Goiás, Placido Cunha, ao apresentar, Projeto de Lei que estabelece normas gerais para implantação e compartilhamento de infraestrutura de suporte de telecomunicações 5G em Valparaíso de Goiás. Com isso  Placido quer colocar as pessoas no centro do desenvolvimento. Ou seja, quer incorporar tecnologias da informação e comunicação na gestão urbana, incluindo internet das coisas. Tais elementos são incorporados como ferramentas. Estas, por sua vez, estimulam a formação de um governo eficiente o que transforma a Valparaíso de Goiás em uma cidade inteligente ou cidade do futuro.

É por essas e outras que o povo de Valparaíso de Goiás, os servidores da câmara, empresários de todo o Setor Produtivo de Valparaíso e lideranças  desejam um feliz aniversário para o vereador Placido Cunha, que celebra mais um ano de vida nesta sexta-feira (22 de outubro). Que você seja coberto de bênção, felicidade e plena harmonia, e que o caminhar dessa nova vida seja sempre de flores e esperança. Que o tempo seja sempre o seu melhor parceiro, trazendo serenidade, equilíbrio e sabedoria.

Que as conquistas do passado lhe tragam à lembrança, não só alegres, mas também a força e o entusiasmo para superar eventuais obstáculos e implementar os mais importantes projetos para o futuro. Continue administrando, cuidando dos bens e das causas públicas e respeitando a todos sempre pautado na humildade e na força de vontade de sempre fazer o bem.

Que Deus ilumine seus caminhos para que prossiga na trilha do bem, trabalhando cada vez mais em prol da sua terra e da sua gente.

Muita saúde, amor, paz, fé, esperança, alegrias e prosperidade!

Feliz aniversário,  Placido Cunha!

Do amigo, Paulo Melo.

Candidata à presidência da OAB-DF registrou sua candidatura na tarde desta 6ª-feira cercada de apoiadores

A advogada Thais Riedel reuniu apoiadores, na tarde desta sexta-feira (22), para registrar a chapa do Movimento Respeito É a Ordem, que concorre à direção da OAB-DF. Thais é candidata à presidência da Ordem e oposição à atual gestão. 

Cerca de 500 apoiadores foram prestigiar o registro e provocaram bloqueio na via W2 por cerca de 10 minutos. Estiveram presentes, além dos 115 integrantes da chapa, apoiadores de Thais Riedel, como o ex-presidente da OAB-DF Juliano Costa Couto. 

Thais Riedel é advogada, mestre em Direito Previdenciário e sócia na Advocacia Riedel. Conseguiu unificar seu grupo e é a candidata de oposição à atual gestão da OAB-DF. Na última segunda-feira (18), anunciou o professor, mestre em Direito pela Universidade do Porto e diretor do Grupo Educacional Projeção Pierre Tramontini como seu vice. 

“A OAB-DF se acovardou, se apequenou quando a advocacia mais precisou. Hoje, ela não é apoio para os advogados, não defende prerrogativas da advocacia e nem é suporte para a sociedade. Precisamos resgatar o respeito da advocacia”, defendeu Thais. 

As eleições ocorrem no próximo dia 21 de novembro.

Anderson Marcos dos Santos*


O Brasil é o segundo país com mais mortes por covid, superando 590 mil óbitos, ficando atrás somente dos EUA. Algumas das razões desse fracasso estão aparecendo agora nas investigações feitas pela CPI da pandemia, que vem apontando para diversos crimes que teriam sido cometidos por autoridades públicas. Outras razões estão evidentes desde o primeiro caso no país, entre elas, o negacionismo, a falta de coordenação nacional ao combate à doença, o incentivo à aglomeração e ao não uso de máscara pelo presidente da República e, principalmente, o atraso na compra das vacinas.

Os governos estaduais e municipais também têm sua parcela de culpa, seja por endossar as práticas do governo federal, seja pela falta de coragem em adotar medidas mais duras na contenção da transmissão do vírus. As ações mais efetivas foram tomadas visando apenas o controle de leitos nas UTIs, e não a circulação do vírus.

Recentemente, outra medida de combate à pandemia começou a ser implantada em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, e até em estados como o Rio Grande do Norte. Trata-se do passaporte vacinal, uma medida jurídica que, com variações em cada localidade, permite a realização de eventos com grande número de pessoas e locais de uso coletivo — como academias, cinemas e locais turísticos, desde que vacinadas com pelo menos uma dose da vacina.

Tal ação foi contestada judicialmente sob o argumento de que viola a liberdade individual de locomoção, o que, por enquanto, vem sendo acertadamente negada pelos tribunais do país. A liberdade de locomoção não é direito absoluto, aliás, como nenhum é. Nem está sendo atingida de maneira absoluta. A limitação parcial desse direito individual pode e deve acontecer quando se está diante da necessidade da proteção de um bem maior como é a saúde pública e o bem-estar coletivo. Contudo, não parece ser a legalidade da medida o problema da adoção do passaporte vacinal, mas sim, a finalidade e a eficácia desse documento.

Não existe fundamentação, do ponto de vista sanitário, para a medida. Não serve como incentivo para a vacinação, a adesão dos brasileiros à vacina está próxima de 90%, e o baixo número de vacinados se dá pela escassez de vacinas, e não pela falta de procura. Ao contrário, o passaporte vacinal, da forma como está normatizado, é um risco no combate à pandemia. Por um lado, porque é concedido a pessoas com apenas a primeira dose da vacina, sem a imunização completa, por outro, pode gerar uma falsa sensação de segurança e incentivar a circulação desprotegida.

A única justificativa para a sua adoção é a econômica, ao permitir o funcionamento de setores que estão com restrições ou fechados desde o começo da pandemia. Então, para não resultar em aumento da transmissão do vírus, o passaporte deveria ser restrito àqueles com imunização completa, além de exigir outras medidas, como o uso obrigatório de máscaras adequadas e limite de ocupação, conforme o tamanho do espaço e a circulação de ar.

Apesar das boas intenções que possam existir na criação das normas que instituem o passaporte vacinal, a medida repete os erros que, teimosamente, insistimos em cometer. Parece faltar coragem para enfrentar a pandemia obedecendo as orientações da ciência e sobrar populismo, com medidas ineficazes, quando não agravantes, em relação à pandemia.

O controle da pandemia precisa de ampliação da cobertura vacinal, ações de mobilização social para evitar aglomerações e cuidados de higiene, medidas objetivas, como distribuição de máscaras adequadas para o transporte público e o combate a toda forma de negacionismo ou charlatanismo.

*Anderson Marcos dos Santos, doutor em Sociologia, mestre em Direito, é coordenador adjunto e professor do mestrado em Direito da Universidade Positivo (UP). 

anderson.santos@up.edu.br

Ação de voluntariado contribui para o meio ambiente
Crédito: Divulgação

Ao todo, 40 pessoas participaram da ação sustentável do Instituto A.Yoshii, no distrito de Maravilha, onde foram plantadas mudas de 15 espécies diferentes, nativas da Mata Atlântica

Embaúba, Aroeira Pimenteira, Figueira Branca, Ipê Amarelo. Ao todo, 40 mudas de 15 espécies de árvores nativas da Mata Atlântica foram plantadas por voluntários do Instituto A.Yoshii, por meio do projeto Mais Verde. A ação aconteceu na Gaviãozinho Farm, localizada no distrito de Maravilha, na zona sul de Londrina (PR), em alusão ao Dia da Árvore (21/09).

Os responsáveis pela fazenda, que existe há 48 anos, vêm trabalhando para restaurar o bioma da região e incentivar ações voltadas ao meio ambiente, especialmente por meio de parcerias como esta firmada com o Instituto A.Yoshii, entidade fundada em 2006 e que tem como um dos pilares a realização e o envolvimento em iniciativas voltadas à sustentabilidade. O objetivo do projeto Mais Verde é promover o voluntariado, o contato com a natureza, preservar o meio ambiente e propiciar aos participantes a experiência ao ar livre e a emoção de plantar uma árvore, que pode se tornar um marco especial para muitas pessoas.

Para o voluntário Vitor Shiroma, a experiência foi inesquecível. “Hoje eu tive a oportunidade de plantar minha primeira árvore. Foi um sentimento único e quero continuar participando de ações como esta. É muito bom disseminar a conscientização sobre a importância do meio ambiente”, relata o colaborador da A.Yoshii Engenharia. 

A ação também é uma forma de todos refletirem sobre a importância de pequenas atitudes de cuidado com o planeta. "A sustentabilidade é um pilar importante do Instituto A.Yoshii e a ideia deste projeto é colaborarmos com as questões ambientais e sustentáveis para deixarmos um mundo melhor para nossos filhos”, completa a vice-presidente do Instituto, Maria Fernanda Beneli Vicente.

Ela lembra ainda que as árvores são responsáveis por filtrar o gás carbônico e produzir oxigênio. Dão sombra, regulam a temperatura atmosférica, além de abrigarem flora e fauna, entre inúmeros outros benefícios. 

Os fundadores da Gaviãozinho Farm, Paulo Maurício e Guilherme Acquarole, têm a expectativa de plantar mil mudas de árvores até o final do ano. “E, para nós, é muito importante termos parceiros como o Instituto A.Yoshii, que dá sustentação cada vez maior para o nosso projeto e para a conservação do nosso planeta”, destaca Guilherme. 

Além de instruir e promover ações de incentivo ao consumo consciente, a Gaviãozinho Farm fomenta o plantio de árvores com o projeto Adote Floresta. A propriedade está localizada a aproximadamente 2 km do Rio Tibagi e é cortada pelo Rio Gaviãozinho, que deu origem ao nome da fazenda.

 

Sobre o Instituto A.Yoshii

Fundada em 2006, a entidade sem fins lucrativos promove ações solidárias ligadas à educação, meio ambiente e cultura, em busca de resultados com impacto social positivo. Ao longo dos 15 anos de atuação, o Instituto A.Yoshii promoveu diversas iniciativas voltadas a mulheres e jovens em situação de vulnerabilidade econômica-social, minimização de impactos no meio ambiente e democratização do acesso à cultura e educação. Em 2020, o Instituto foi reconhecido pelo quinto ano consecutivo com o Selo Sesi ODS, como uma das principais organizações que trabalham em prol dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU. Mais informações: https://www.institutoayoshii.org.br

Sobre o Grupo A.Yoshii

Fundado há mais de 55 anos, o Grupo A.Yoshii já construiu mais de 2 milhões de m² do Sul ao Nordeste do Brasil, entre obras industriais, edifícios corporativos e residenciais, escolas, universidades, teatros e centros esportivos. É composto pela A.Yoshii Engenharia, com sólida atuação em construções de edifícios residenciais e comerciais de alto padrão em Londrina, Maringá, Curitiba e Campinas; pela Yticon Construção e Incorporação, que realiza empreendimentos econômicos, localizados em regiões de potencial valorização em municípios do Paraná; e pelo Instituto A.Yoshii, voltado para a inserção social e democratização cultural. Além disso, atua em Obras Corporativas, atendendo grandes corporações em suas plantas industriais, nos mais variados segmentos da economia, como papel e celulose, alimentício, químico, agronegócio, energia, assim como usinas sucroalcooleiras, centros logísticos, plantas automobilísticas, entre outros. Mais informações: www.ayoshii.com.br


 

Conteúdos disponíveis em plataformas de streaming são ferramentas para compreender melhor eventos históricos e debates sociais


Em AmarElo, disponível na Netflix, Emicida faz um resgate da história do Brasil sob a perspectiva do povo negro
Créditos: divulgação


Com as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) se aproximando, qualquer hora é hora para estudar. Mas isso não precisa ser feito apenas com os livros abertos e durante as aulas. Há formas de se preparar sem, contudo, abrir mão dos momentos de diversão tão importantes para manter a saúde mental.

Para o professor de História e coordenador editorial do Sistema Positivo de Ensino, Norton Nicolazzi Junior, conteúdos de entretenimento são uma boa ferramenta para quem quer compreender melhor o mundo em que vivemos. “O streaming é uma nova dinâmica de divulgação cultural. É interessante buscar as referências completas desses conteúdos para entender o contexto em que eles foram produzidos. Essa é uma etapa a mais na preparação para o Enem e para os principais vestibulares, então é recomendável assistir a esses filmes e séries com um caderno e uma caneta em mãos para anotar o que é mais importante”, aconselha. O especialista aponta sete produções disponíveis em plataformas de streaming que podem contribuir para quem quer se destacar no Enem 2021.

AmarElo - É tudo pra ontem

Referências de cultura, história, quadrinhos, geopolítica e tantas outras se misturam em toda a obra musical de Emicida. Mas no disco de estúdio mais recente do artista, AmarElo, de 2019, essa mistura se tornou ainda mais potente. Por isso, o documentário sobre o disco, suas raízes e referências, lançado em 2020, é imperdível. Nele, Emicida traz lições sobre a contribuição dos negros para a sociedade brasileira, mostra trechos da produção do disco e do show e convida, por meio da sensibilidade, a uma reflexão sobre como o Brasil contemporâneo é consequência de escolhas feitas no passado. “Esse documentário fala sobre o histórico de constituição da sociedade brasileira e traz uma visão muito interessante para o estudante perceber como determinados grupos foram excluídos ao longo de mais de 500 anos e passaram a encontrar seu lugar de atuação social e a se destacar como sujeitos históricos com representatividade”, diz Nicolazzi. Ele chama a atenção para uma reflexão sobre quais são as permanências e as rupturas que a produção apresenta para uma reinterpretação da sociedade brasileira. Disponível na Netflix.

Explicando

Bitcoins, cirurgia plástica, desastres climáticos, xadrez. Esses e outros assuntos tão variados quanto eles são tema da série “Explicando”. A série original, lançada em 2018, fez tanto sucesso que virou uma coleção. As informações são acompanhadas de imagens, animações e depoimentos de especialistas em drops que giram em torno de 20 minutos de duração. “Como a variedade temática é muito ampla, isso favorece a construção de um repertório cultural igualmente amplo. Isso tem o potencial de auxiliar o estudante a melhor organizar sua argumentação, principalmente quando pensamos na redação do Enem”, afirma o professor. Nicolazzi destaca, ainda, que os episódios são curtos, o que favorece que os estudantes consigam encaixar um episódio por dia, por exemplo, e passear por uma vasta gama de informações que poderão servir de embasamento na hora de elaborar a redação. Disponível na Netflix.

Seremos História?

Lançado em 2016, o documentário “Seremos História?” (Before the flood, no original, em inglês) tem Leonardo DiCaprio como apresentador e mostra os efeitos das mudanças climáticas em vários países do mundo. Também há entrevistas com especialistas e líderes globais como Barack Obama, o Papa Francisco, o ex-secretário geral da ONU, Ban Ki-moon e cientistas da Nasa. Recentemente, especialistas têm alertado sobre a necessidade urgente de antecipar medidas para frear essas mudanças antes que elas sejam irreversíveis. O filme está disponível no Disney+ e ajuda a saber por que essas medidas são indispensáveis neste momento.

O Enigma da Energia Escura

Emicida é um dos maiores fenômenos musicais das últimas décadas e, além da música, uma voz fundamental para debater desigualdade racial e social, eugenia e a importância das tradições africanas para a cultura e a sociedade brasileiras. Em “O Enigma da Energia Escura”, o rapper passa por esses e outros temas em cinco episódios produzidos por diretores e diretoras negros. O objetivo é apresentar uma perspectiva não branca do Brasil e explorar as muitas possibilidades que essa perspectiva pode trazer. Disponível na Globoplay.

Radioactive

Marie Curie tinha uma mente brilhante e uma grande resiliência. Foi com essas ferramentas que ela descobriu nada menos que dois elementos químicos que hoje figuram na tabela periódica: o polônio e o rádio, ganhou dois prêmios Nobel (um de física, outro de química) e deu nome ao que conhecemos por radioatividade. Nessa cinebiografia é possível conhecer um pouco mais da história dessa cientista que mudou o mundo e entender como a pesquisa científica é importante para que a humanidade faça avanços nas mais diversas áreas. Disponível na Netflix.

Doutor Gama

Se a questão racial é um problema antigo no Brasil, também não é de hoje que o país produz grandes nomes  dispostos a combater a discriminação e o preconceito. Luiz Gama foi um grande líder abolicionista, jornalista, advogado e escritor do século XIX. Recém-lançado, o filme “Doutor Gama” conta a história dessa personalidade e narra os muitos desafios que ele precisou enfrentar enquanto ex-escravizado. Gama conseguiu ser alforriado na adolescência e dedicou sua vida a fazer o mesmo por outras pessoas escravizadas, sempre usando as vias judiciais. Disponível na Globoplay.

Ponto de Virada

A retomada do poder pelo Talibã, no Afeganistão, é o capítulo mais recente de uma novela que já dura mais de 20 anos, a Guerra ao Terror. Em 11 de setembro de 2001, atentados coordenados pela Al-Qaeda, liderada por Osama Bin Laden, lançaram aviões contra as duas torres do World Trade Center, em Nova York, e também atingiram o Pentágono, em Washington, deixando mais de três mil mortos. Desde então, ataques terroristas se tornaram uma constante no mundo ocidental. Ao mesmo tempo, vários países do Oriente Médio experimentaram verdadeiras tragédias humanitárias, consequência de ocupações estrangeiras e conflitos entre grupos armados. “Ponto de Virada” conta a história de como tudo isso começou, naquela terça-feira, com o primeiro avião colidindo contra a torre norte de um dos cartões postais dos Estados Unidos. “Embora o retorno do Talibã seja muito recente e, por isso, dificilmente seja cobrado, esse filme ajuda a conhecer mais a respeito do 11 de setembro e a estabelecer relações entre aquele acontecimento e o que vimos ao longo das duas últimas décadas”, explica o professor. Disponível na Netflix.

__________________________________________

Sobre o Sistema Positivo de Ensino

É o maior sistema voltado ao ensino particular no Brasil. Com um projeto sempre atual e inovador, ele oferece às escolas particulares diversos recursos que abrangem alunos, professores, gestores e também a família do aluno com conteúdo diferenciado. Para os estudantes, são ofertadas atividades integradas entre o livro didático e plataformas educacionais que o auxiliam na aprendizagem. Os professores recebem propostas de trabalho pedagógico focadas em diversos componentes, enquanto os gestores recebem recursos de apoio para a administração escolar, incluindo cursos e ferramentas que abordam temas voltados às áreas de pedagogia, marketing, finanças e questões jurídicas. A família participa do processo de aprendizagem do aluno recebendo conteúdo específico, que contempla revistas e webconferências voltados à educação.