IESB

Cinco razões para você começar seu negócio em uma loja colaborativa

 


Os motivos vão desde redução de custos a networking entre empreendedores.

Aluguel, IPTU, conta de luz, água, internet, funcionários… Começar um negócio do zero não é fácil e muito menos barato, o que espanta grande parte dos empreendedores que estão iniciando. Nesse sentido, as lojas colaborativas ganham destaque por otimizar custos e burocracias na abertura de um novo negócio. 

O proprietário do Espaço 365 Collab & Coffee, na 402 Sul, Flávio Mikami, explica que as lojas colaborativas são “um espaço físico coletivo, onde empresários de pequenos negócios comercializam diretamente os seus produtos e serviços". Pela sua simplicidade e compartilhamento, o mercado colaborativo acaba exigindo menos investimentos. 

Mas os motivos para começar a empreender em uma loja colaborativa vão muito além do financeiro. Confira!

  1. Período de teste

Quem está iniciando no ramo do empreendedorismo certamente possui muitos medos relacionados ao futuro do seu negócio. Por isso, iniciar seu empreendimento em uma loja colaborativa pode ser uma ótima ideia. “A loja colaborativa é um excelente passo antes de se abrir uma loja de fato, porque você consegue testar o mercado, a marca e ver se tem aderência”, afirma Flávio.

  1. Redução de custos

Manter um ponto comercial em pleno funcionamento pode custar muito caro. Não é à toa que a redução de custos é a maior das vantagens de fazer parte de uma loja colaborativa. “Para alugar uma loja, geralmente é necessário fiadores ou pagamento de caução antecipado de 3 meses de aluguel, fora um contrato mínimo de um ano, reforma do ambiente, contratar vendedores e enfim. São muitas coisas”, menciona Mikami.

Isso sem contar o IPTU, que é de responsabilidade do inquilino, despesas com energia, água, funcionários, o mobiliário do espaço e também os temidos tributos, que não são nada baratos. 

  1. Maior visibilidade da marca 

Os produtos comercializados nesse tipo de negócio são variados. Roupas, artesanatos, acessórios pessoais e de decoração e até mesmo produtos alimentícios. Então, por exemplo, “se um cliente for na loja em busca de um objeto “x”, ele acaba vendo igualmente o seu objeto “y” e pode se interessar e efetivar a compra da sua mercadoria também”, explica Mikami. 

  1. Maior disponibilidade do empreendedor

A não necessidade de estar presente na venda dos artigos o tempo todo possibilita que o empreendedor tenha mais tempo para se dedicar à produção de bens e serviços. Desta forma, ele pode se dedicar a outros canais de comercialização, como por exemplo loja virtual e atendimento em domicílio. 

  1. Parceria entre os comerciantes

Empreendedores deste tipo de negócio costumam partilhar tudo, desde despesas com funcionários até divulgação e promoção da loja. E, já que tudo é dividido, os empreendedores colaborativos possuem acesso aos melhores pontos comerciais. Sem contar que, partilhar o mesmo ambiente, abre espaço para parcerias e networking entre os empresários.  


Espaço 365 Collab & Coffee - Um espaço, infinitas possibilidades 

Asa Sul - CLS 402, bloco A, loja 15

Seg a sáb - 10h às 21h | Dom - 10h às 16h

Siga: @espaço365.collab

Postar um comentário

Comentários ofensivos serão deletados.

Postagem Anterior Próxima Postagem